Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

Títulos

História de Nossa Senhora Auxiliadora, A Virgem de Dom Bosco

Fernando Petersen
Escrito por Fernando Petersen em 24/05/2021
História de Nossa Senhora Auxiliadora, A Virgem de Dom Bosco
receba mensalmente um PDF ESPECIAL e SURPRESA no seu email.

SE INSCREVA NA LISTA DE EMAIL

Muitos sãos os fatos que nos levam a contar a História de Nossa Senhora Auxiliadora, também conhecida como a Virgem de Dom Bosco ou a Nossa Senhora de Dom Bosco, que foi quando a devoção a esse título tomou grandes proporções no mundo através das missões dos Salesianos de educar os jovens na Fé Católica se inspirando nos ensinamentos de São João Bosco.

NOSSA SENHORA AUXÍLIO DOS CRISTÃOS

Maria já era invocada com o título de auxiliadora nos primeiros séculos. Os primeiros cristãos em Alexandria, Antioquia, Atenas, Éfeso, Egito e na Grécia, costumavam chamar a Santíssima Virgem Maria de “Boetéia” que significa “a que traz auxílios vindos do céu”, ou seja, Auxiliadora.

O primeiro Padre da Igreja que se tem conhecimento por ter invocado a Maria  com um título fazendo referência a auxílio de Deus foi São João Crisóstomo, em Constantinopla, em 345, dizendo: “Tu, Maria, é o auxílio potentíssimo de Deus”.

Mais um dado interessante e pouco conhecido é que, já no século XI, desde 1030 aproximadamente, na Ucrânia, a Igreja Ortodoxa celebra em 1º de Outubro a Festa de Nossa Senhora Auxiliadora por ter libertado aquela região de tribos pagãs.

AMEAÇA TURCA

No século XVI, mais precisamente em 1571, o imperador turco Selim I depois de conquistar bastante território no Mediterrâneo escravizando os cristãos, colocou seus olhos de cobiça e quis expandir seu território para cima da Europa.

Diante da inércia das nações cristãs, o Papa São Pio V, invocou a ajuda da Santíssima Virgem e montou uma esquadra para defender e Europa da escravidão muçulmana junto com outras nações cristãs que foi liderada por Dom João da Áustria.

O Santo Padre enviou para o príncipe um estandarte bordado com a imagem de Jesus crucificado e a recomendação de que pedissem a proteção e o auxílio de Nossa Senhora na batalha. Toda a preparação dos soldados (e também do povo que daria suporte em oração) para a batalha consistiu em três dias de jejuns, orações, recitação do rosário e procissões, suplicando a Deus a graça da vitória. O inimigo era muito superior em número, um imenso exército de 88.000 soldados e 282 barcos.

“AUXILIUM CHRISTIANORUM” E A BATALHA DE LEPANTO

Nossa Senhora Auxiliadora em Lepanto

Depois de receberem a Santa Comunhão, partiram todos para a batalha. Gostaria de chamar a atenção para este fato que será mais importante para entender a visão de Dom Bosco mais adiante: O barco sendo atacado e ancorado em duas colunas, uma sendo a Virgem Maria e a outra a Eucaristia.

No dia 7 de Outubro de 1571 teve a batalha decisiva nas águas de Lepanto e o Papa São Pio V convocou todos os cristãos a rezarem o Santo Rosário. A conquista dos turcos não seria apenas uma ameaça para os cristãos, mas para toda a civilização, devido ao estrago que eles faziam nas terras conquistadas. Depois de 3h de intensa batalha, pedido de socorro à Santíssima Virgem e orações, sobretudo do Santo Rosário, quando tudo parecia praticamente perdido, veio a vitória que logicamente foi atribuída à intercessão da Santíssima Virgem.

Depois de tão prodigiosa e milagrosa vitória, os cristãos hastearam a bandeira de Cristo aos gritos de “Viva Maria”. Após isso, o Santo Padre acrescentou na Ladainha Lauretana, que somente o Papa pode mexer, a invocação de Auxilium christianorum (Auxílio dos Cristãos) em agradecimento e reconhecimento.

CURIOSIDADES EXTRAS

Dessa batalha de Lepanto, que é a mais conhecida, derivam três fortes títulos de Nossa Senhora: Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos, Nossa Senhora do Rosário e Nossa Senhora da Vitória.

O Rosário foi tão importante para a Vitória e implica tanto na Intercessão da Santíssima Virgem, que a festa de Nossa Senhora do Rosário foi instituída exatamente no dia da vitória de Lepanto, 7 de outubro. Falaremos mais disso em tempo oportuno, no dia de Nossa Senhora do Rosário.

Outra libertação atribuída à Nossa Senhora Auxiliadora (Auxílio dos Cristãos) na história aconteceu um século, no ano de 1683, depois em Viena sitiada pelos turcos, o rei da Polônia João III Sobieski chegou com as tropas polonesas em auxílio da cidade, também com um exército inferior e confiando em Maria Auxiliadora.

Depois o rei confessou humildemente ao então Papa, Inocêncio XI: “Veni, Vidi Deus Dedit Victoriam” (Cheguei, vi, Deus deu vitória), recordando a todos e atribuindo a Virgem Maria a graça da vitória.

NAPOLEÃO BONAPARTE E O PAPA PIO VII

A Revolução Francesa foi terrível em todos os sentidos e nela está a raiz de grande parte dos problemas da modernidade. Mas, também, é dela que podemos ver bastante a ação de Deus na história do mundo a intercessão da Santíssima Virgem Maria.

Em sua ganância de conquistar o mundo, Napoleão lançou seus olhos também nas terras pontifícias e precisava arrumar um pretexto para invasão. Usou como pretexto o fato do Papa ter negado a invalidade do matrimônio do irmão de Napoleão e mandou ocupar os estados pontifícios. Por isso foi excomungado pelo Papa Pio VII que afixou a sentença na porta da Basílica de São Pedro.

Para “dar o troco”, Napoleão mandou sequestrar o Papa. Isso mesmo! Mandou sequestrar o Papa e o manteve em um cativeiro na Franca por cinco anos, onde teve que passar por pressões, vexames e humilhações de toda a espécie.

Ainda na prisão, o Santo Padre movido pela fé no Auxílio de Nossa Senhora, prometeu coroar de forma solene a imagem de Nossa Senhora de Savona (Mãe de Misericórdia) assim que liberto. E, Nossa Senhora Auxiliadora mais uma vez agiu atendendo ao apelo do Papa e clamor popular. Napoleão Bonaparte, após derrota na batalha de Leipzig  cedeu e libertou o Papa Pio VII. E, mais, no mesmo palácio que manteve o sumo pontífice preso teve de assinar a sua abdicação como imperador.

INSTITUIÇÃO DA FESTA DE NOSSA SENHORA AUXILIADORA

nossa senhora auxiliadora

Após liberto, o Santo Padre, Papa Pio VII, a caminho de Roma para ser restituído de tudo graças à intercessão de Nossa Senhora Auxiliadora, parou em Savona e cumpriu seu voto de coroar solenemente a imagem de Maria Mãe de Misericórdia, mostrando assim como o auxílio da Santíssima Virgem vem exatamente por ser Mãe, Mãe misericordiosa, Mãe da própria Misericórdia encarnada que é Nosso Senhor Jesus Cristo.

Finalmente, em 24 de maio de 1814 o Papa Pio VII fez sua entrada triunfal em Roma recuperando seus poderes eclesiásticos e os bens pontifícios e para perpetuar tão grande graça, o mesmo Papa fixou esta data como dia de Nossa Senhora Auxiliadora.

É em memória desta vitória contra o poder secular e não se deixar perder essa história que comemoramos o a Festa e Nossa Senhora Auxiliadora em 24 de maio.

Gostaria de destacar como Nossa Senhora é um importante auxílio nas batalhas contra o mundo, principalmente as espirituais e culturais. Em Lepanto, Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos livrou a civilização cristã do império otomano. Em Viena, idem. Séculos antes de Lepanto, livrou a Ucrânia da cultura pagã. Século depois de Lepanto auxiliou mais uma vez contra a cultura revolucionária da França, que matou e perseguiu milhares (senão milhões) de cristãos e religiosos.

Foi, então, percebendo essa “guerra” das coisas do cão (do mundo) com as coisas da Igreja Católica (de Deus) que Dom Bosco notou a importância de invocar o título de Nossa Senhora Auxiliadora em sua missão. E, de fato, foi a partir de São João Bosco que a devoção e a história de Nossa Senhora Auxiliadora ficou cada vez mais conhecida. Chegando a ficar carinhosamente conhecida como a “Nossa Senhora de Dom Bosco” ou “A Virgem de Dom Bosco”.

NOSSA SENHORA NA VIDA DE DOM BOSCO

São João Bosco desde pequeno aprendeu a confiar na Santíssima Virgem Maria através de sua mãe. Aos nove anos, em sonho, Jesus confia à Virgem Maria o então jovem menino e desde então fortaleceu cada vez mais sua confiança e entrega a Nossa Senhora.

Dom Bosco funda a sua congregação no meio de uma batalha e ódio intensos entre o mundo secular e a religião. As escolas já estavam sendo inundadas de perdições para a juventude. Devoto da Santíssima Virgem, São João Bosco confiou no auxílio de Nossa Senhora (Auxílio dos Cristãos) e também já conhecia a história de Nossa Senhora Auxiliadora e seus prodígios.

Ele dirá aos seus jovens no famoso sonho do caramanchão de rosas, acontecido em 1847, mas contado em 1864: “Para que cada um de vós tenha a garantia de que é a Bem-aventurada Virgem que quer a nossa Congregação, vos contarei não já a descrição de um sonho, mas também o que a própria Bem-aventurada Mãe se dignou de me fazer ver. Ela quer que depositemos nela toda a confiança”. (A. S. FERREIRA, Acima e Além os sonhos de Dom Bosco, pp. 24-25).

E diz Pietro Stella: “Nossa Senhora foi a Pastorinha, guia, rainha e mãe, a Senhora dos sonhos é um dos elementos que caracterizavam a devoção mariana do Oratório. A persuasão de Dom Bosco tornava-se persuasão de todos, jovens e salesianos. Dom Bosco e suas obras eram protegidos, de modo especialíssimo, pela Virgem Santíssima. Nada se fizera sem a prova palpável de que a Virgem Maria interviera para sugerir soluções, aplainar dificuldades ou proteger das insídias diabólicas (…) Garantiam que todos os que viviam com Dom Bosco, participavam dessa proteção (carisma) especial” (Pietro STELLA, D. Bosco nella storia della religiosità cattolica, II, p. 115).

Missão Salesiana

Por volta de 1860 a Virgem Santíssima aparece para Dom Bosco e manifesta para ele o desejo de que fosse construindo em Turim (Itália) um templo em sua homenagem sob o título de Nossa Senhora Auxiliadora.

Mais ou menos na mesma época, por volta de 1862, começou a manifestar na Itália uma devoção popular às aparições de Spoleto sob o título de Nossa Senhora Auxiliadora e isso impulsionou Dom Bosco ainda mais a dar início à construção do templo mariano em Turim.

A construção se deu início com “alguns trocados” e 5 anos depois, em 9 de junho de 1868, o templo foi consagrado. Dom Bosco não cansava de proclamar: “Cada tijolo deste templo corresponde a um milagre da Santíssima Virgem Maria”. E, a partir deste santuário e das missões salesianas, a devoção a Nossa Senhora Auxiliadora começou a ficar cada vez mais conhecida.

O SONHO DE DOM BOSCO CITADO

são joão bosco e nossa senhora auxiliadora

São João Bosco teve em um de seus sonhos a visão de um barco sendo atacado, mas sustentado por duas colunas. Umas delas é a Virgem Maria. A outra, a Eucaristia.

Para alguns mais desavisados ou com pouco conhecimento da fé, a Eucaristia é o próprio Jesus Ressuscitado. A Eucaristia é Cristo em toda a sua humanidade, corpo, sangue, alma e divindade sob a aparência de pão.

Nos tempo de Dom Bosco, não muito diferente de hoje (na verdade, como sempre) a Igreja estava sendo muito ataca e os fiéis estavam sob ameaça constante dos poderes das trevas e por isso ele estimulou os membros da sua congregação a invocar a Maria Santíssima como protetora. Ensinava, também, que a via de santificação esta ancorada no auxílio de Nossa Senhora e na Comunhão (Eucaristia).

Esse é o melhor meio de nos protegermos e lutarmos contra o mundo. Nossa Senhora e Eucaristia (Jesus). Nossa Senhora nos conduz e nos ajuda, a Eucaristia nos sustenta, nos dá força. Nossa Senhora intercede, Jesus santifica e realiza os prodígios, sobretudo os de conversão e salvação.

Conhecer a História de Nossa Senhora Auxiliadora, a Virgem de Dom Bosco realmente nos inspira e nos enche de esperança para os tempos atuais.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

One Reply to “História de Nossa Senhora Auxiliadora, A Virgem de Dom Bosco”

Karina Barcelos Ribeiro

Conteúdo maravilhoso, tem esse conteúdo em pdf que possa enviar?