Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

Reflexões

O Segredo da Felicidade Está na Pobreza

Fernando Petersen
Escrito por Fernando Petersen em 20/06/2021
O Segredo da Felicidade Está na Pobreza
receba mensalmente um PDF ESPECIAL e SURPRESA no seu email.

SE INSCREVA NA LISTA DE EMAIL

O Evangelho proposto para hoje, quinto dia de preparação para Consagração a Nossa Senhora, o que tem de curto, tem de profundo e precioso. Nele Jesus nos revela que o segredo da felicidade está na pobreza. Sim! Como já esperado por nós, Católicos, o que Jesus nos ensina é contrário ao que o mundo prega e neste caso não seria diferente. Jesus nos ensina que a verdadeira felicidade é o extremo oposto do que o mundo prega sobre felicidade.

“Bem-aventurados os pobres no espírito, pois deles é o Reino dos Céus”

(Mt 5,3).

É tão curtinho que vou acrescentar mais um versículo complementar, que tratarei mais adiante, ok?

“Bem-aventurados os mansos, pois eles herdarão a terra”

(Mt 5,5).

A essa altura, creio que já tenha feito as Orações propostas no Tratado de São Luís para este quinto dia de preparação. E se já segue o Mariale Scholae no Instagram, já soube desde cedo qual o Evangelho proposto para hoje (além de dica para refletir) e a Oração e a Jaculatória. Então, é só ir direto para a reflexão.

Caso ainda não seja seguidor ou não tenha Instagram, mas certamente já leu o Tratado (né? ¬¬), sugiro uma pausa para reflexão do Evangelho proposto para este quinto dia de preparação (Mt 5,3). Após fazer as Orações propostas no Tratado e Refletir sobre o Evangelho, volte para rezar a Oração e a Jaculatória e ler a reflexão que proponho logo abaixo.

Oração: Mãe de Misericórdia, ajudai-nos a despojarmo-nos totalmente de tudo o que nos prende à terra. Que nos desapeguemos de nós mesmos, sobretudo, afim de que sejamos compassivos e mansos para com o próximo. Fazei nossas as vossas lágrimas! Senhora das Dores, dai-nos um intenso desejo de, em tudo, sermos despojados e transformados em Amor. Amém!

Jaculatória: Maria Santíssima, dai-nos as lágrimas do arrependimento e dos santos desejos!

O SEGREDO DA FELICIDADE ESTÁ NA POBREZA

Essa frase chega a chamar a atenção, não é? Porque até a nossa Santa Igreja dá especial atenção aos pobres e luta para dar uma vida mais digna aos mais necessitados. Podemos dizer, até, que a Santa Mãe Igreja luta contra a pobreza.

Então, como é que o segredo da felicidade pode estar na pobreza? Como é que podemos dizer que aquelas pessoas passando extrema necessidade, chegando até a morrer por falta de suprimentos mínimos necessários possuem o segredo da felicidade?

Aí é que está! A deturpação do mundo, tirando Deus do centro e colocando o homem, no caso o pobre.

O QUE JESUS FALOU?

Alegria de viver na pobreza

Jesus não disse “Bem-aventurados os pobres, pois deles é o Reino dos Céus”. Não! Jesus disse: “Bem-aventurados os pobres NO ESPÍRITO, pois deles é o Reino dos Céus”. Em algumas traduções, você encontrará também “pobres de coração, “coração de pobre”, etc…

Mas, pouco importa a tradução, desde que não se faça uso da deturpação. Jesus fala de uma realidade espiritual. Jesus fala de uma situação da alma, não uma realidade material e carnal, no sentido animal do termo.

Claro que isso pode (ou não) acabar refletindo na realidade física (carnal). São Francisco era rico, assim como muitos outros santos da Igreja foram e deixaram tudo para viver a pobreza material, a radicalidade evangélica. Assim como os primeiros discípulos e comunidades cristãs em Atos dos Apóstolos que colocavam tudo em comum e distribuíam entre si conforme a necessidade de cada um e ninguém passava aperto.

Mas, também tivemos reis, rainhas, nobres, pessoas de muitas posses que foram santas canonizadas pelas Igreja. Só isso já é suficiente para mostrar que a realidade citada por Jesus não é necessariamente material, mas espiritual.

O QUE É SER POBRE?

Em um mundo materialista, que tirou Deus do centro (e que, infelizmente e desgraçadamente, tem uma vertente dentro da igreja que fez isso tirando Jesus e colocando o pobre no lugar), pobre é aquele que necessariamente não possui bens ou, ainda mais, pobreza é sinônimo de miserável, de passar necessidade.

Para não entrar numa seara de discussão desnecessária para ESTE momento, ser pobre no contexto do Evangelho é sinônimo de ser DESAPEGADO DOS BENS MUNDANOS, assim como ser rico é ser apegado aos bens mundanos. E, vou mais longe, não só dos bens materiais, mas também dos bens imateriais como títulos, honrarias, glórias, nome, etc…

DESAPEGAR NÃO É DESCARTAR

Essa também é outra confusão muito comum. As pessoas tem em mente que para se desapegar dos bens é necessário descarta-los, doá-los ou desprezá-los. Fazer, digamos, como alguns santos que deram tudo aos pobres e seguiram a vida praticamente nus.

Desapegar é viver tendo e usufruindo, mas como se não tivesse e se não fosse seu. Como se fosse um “agrado”, digamos assim.

“Parabéns, você ganhou uma semana em um resort com tudo pago”. Você vai usufruir feliz da vida de tudo, mas sabe que isso vai acabar em uma semana, que nada é seu e não vai se angustiar, ficar com medo de perder tudo. Você não está apegado. Agora estenda isso para quem é rico para a dimensão da vida… Bem difícil não se apegar, né?

Mas, você, no primeiro caso, vai deixar de usufruir da graça? É uma opção. Mas, usufruir não tem problema. O problema é se apegar nesse curto espaço e querer ter aquela vida o tempo inteiro. A mesmíssima coisa acontece com a riqueza.

DESAPEGO E POBREZA

Já deu para notar que quando falo de pobreza, não estou falando de miséria, mas de desapego, não é? O exemplo acima foi só para ilustrar o porque que digo que o segredo da felicidade está na pobreza. Está viver como se não tivesse os bens materiais e imateriais, está em usar os bens mundanos de acordo com a sua necessidade de estado e, se os tiver em abundância, por que não partilhar e também usufruir?

Então, devemos procurar os bens do mundo somente para satisfazer nossas necessidade de estado. Mas não se apegar a ele e sim usufruir dele para se aproximar de Deus. Isso é ser pobre no espírito.

Uma pessoa muito rica, pode fazer uma doação muito maior, concorda? Um empresário de sucesso, pode empregar mais e dar melhor condições a seus empregados, concorda? Mas, se estes forem apegados aos seus bens… de nada adiantará ter tudo isso e viverão na infelicidade. Da mesma forma que um pobre invejoso, vaidoso, mentiroso, que gosta de viver de aparências, como se fosse rico ou bajular um rico para usufruir disso tudo.

BEM-AVENTURADOS O POBRE NO ESPÍRITO

Só para reforçar:

  • Bem-aventurado: feliz, santo
  • Pobre no espírito: desapegado, despojado, Deus é a sua riqueza

Neste caso, o que prende um despojado, um desapegado no mundo, um pobre no espírito, tendo somente a Deus como única riqueza? Nada, não é?

Por isso podemos dizer “Feliz”! Mais!, Bem-aventurado! Mais ainda! Santo! Aquele que é desprendido, desapegado da terra só tem um lugar para ele que importa e que o satisfaz, o Céu. Por isso que: “Bem-aventurados os pobres no espírito, pois deles é o Reino dos Céus”.

Exatamente! A chave, o segredo da felicidade está na pobreza, porque felicidade é estar no Céu e pobreza é ser desapegado.

E A MANSIDÃO?

bem-aventurados os pobres em espírito

Sim, eu coloquei no início do post um versículo complementar, não foi? O versículo 5.

“Bem-aventurados os mansos, pois eles herdarão a terra”.

E por que eu diz questão de colocar ele? Porque tem uma vertente na igreja, que a Igreja condena, diga-se de passagem, que tira Jesus do centro e coloca o pobre no lugar e ensina, diria até incita, os pobres (materialmente falando) a se rebelarem contra os ricos, a tomar os ricos como exploradores e injustos. A dizer que os ricos têm a obrigação/dever civil de sustentar/distribuir seus bens aos pobres e que os pobres tem esse direito.

Ser manso não é ser pacifista e nem ser idiota. Ser manso não é aceitar as injustiças de forma calada e virando a cara para as necessidades das pessoas. Não! Ser manso é ter paciência, não procurar o próprio direito (isso inclui direito de classe, ok?), mas o do próximo (não falo coletivo), é ser benigno, estimular a caridade e não a inveja. Estimular a conciliação e não a revolta. Estimular a misericórdia e não o direito somente pelo direito.

Não é querer fazer valer (ou lutar) pelos “meus direitos”, mas estimular que se seja caridoso, se seja justo e misericordioso, se seja bom e compassivo. Bom! Não me alongarei mais, pois ainda falarei muito sobre isso em muitas outras reflexões ao longo deste projeto (não apenas de consagração).

PROPÓSITO

Como o Evangelho proposto para hoje é curto e esse período de 12 Dias de Preparação para a Consagração a Nossa Senhora é dedicado para nos desapegarmos dos bens mundanos e de nós mesmos, façamos este propósito de forma mais firme! Repare que venho repetindo constantemente o “despojamento”, “mortificação”, “desprendimento”, “desapego”, nos propósito.

Vamos hoje:

  • Enfiar na cabeça que o segredo da felicidade está na pobreza no espírito e nos desapegarmos dos bens mundanos.

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado.